Arquivo mensal: julho 2012

volta vida, volta

Padrão

Eu tinha me esquecido do nome do post anterior, e como esse sentimento tem sido frequente. Sabe aquela sensação de não saber pra onde está indo? Desde que voltei de Lisboa me sinto meio assim. E essa incerteza sempre me deprime, como quando me formei e vi que, além de não arrumar um emprego tão fácil, eu também não sabia se passaria no mestrado, nem o que faria da vida. E daí da aquela vontadinha de ser classe-média-financia-apartamento-compra-carro-se-casa-e-tem-filho porque né, sinceramente a vida é muito mais fácil dessa forma. Eu podia ser assim. Só que essa vidinha certamente me deprimiria muito mais. 

Anúncios

das angústias

Padrão

E o texto da dissertação tomando forma (mais devagar do que eu gostaria, mas falta de concentração define) e o meu aperto no coração em assumir que não vou dar conta de tentar o doutorado esse ano (projeto+burocracia+prova+terminar o mestrado= impossível pra esse serumano, desculpa Brasil) são as angústias desse inverno. Pode por na conta uns probleminhas familiares também, que sempre ajudam a deixar a gente pra baixo.

Tentar um concurso pra, como diria o namorado, virar chinesinho por um tempo e ter uma grana (inha também) é o desafio da vez. Pergunta se já estudei alguma coisa pro concurso. Não, não pergunta. Mas a boa notícia é que o namorado entrou no mestrado do Instituto de Artes e a vida segue. Sempre segue. Que que esse povo vai fazer pós em humanas ou artes. Fico me perguntando.